quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Promessas para o ano novo

Todos os anos faço pequenas promessas para o ano novo: como parar de roer unhas, conseguir um namorado, arrumar um estágio ou emagrecer um pouco.
Esse ano não sei muito bem o que me espera. Não sei que promessas fazer para o ano novo.
Eu só sei que quero que tudo dê certo, quero gostar das mudanças.
Mas não quero que nada seja forçado, quero que tudo seja natural.
Quero aprender muito, descobrir tudo, viajar bastante.
Acho que será essa a minha promessa para o ano novo. Estar com a cabeça aberta para o que der e vier!

Feliz Natal!

O natal foi ótimo, com direito até a visita do papai noel que entregou presentes para as crianças!
Foto de duas das crianças ao lado do papai noel ->
Foi bom também porque foi uma segunda despedida da família antes da viagem. E ganhei uma mala bem grande e vermelha!
Já estou com saudades e ainda nem viajei.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Preparativos para uma outra viagem

Estou indo agora para São Paulo!
Vou passar o natal com a minha família.
Bem diferente da viagem anterior: estou levando apenas uma pequena malinha, que tem espaço de sobra.
Tentei esconder bastante o presente do amigo oculto para ninguém ver, nem meu irmão nem minha mãe.
Estou com um pouco de dor nas costas, vou levar um analgésico.
Só vou postar depois que voltar da viagem...

Oferta de Empregos

É realmente verdade aquilo que todos falam sobre oferta de empregos.
Quando você está desempregado, nenhum emprego aparece. (por isso você continua desempregado!)
Quando você consegue um emprego, todas as oportunidades aparecem. (aí você descarta se forem piores que a sua atual)
Eu fiquei quase 6 meses sem emprego, atirando para todos os lados. Nada, nada. Participei de mais de 30 processos seletivos e entrevistas.
Até que eu consegui o emprego que eu queria. A partir desse momento todas as outras oportunidades apareceram. Não que eu estivesse procurando ainda, eu consegui o que queria. Mas a auto-estima melhora um pouco depois de ter outras propostas. Significa que de todos os processos seletivos, eu passei em mais de um.

E quanto ao meu atual emprego, eu não sei se começo no dia 9 ou no dia 23 de janeiro... Não sei quando o meu visto vai sair ainda!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Amigo Oculto

Essa semana estou envolvida com a procura do presente para o amigo oculto da minha família em São Paulo. Esse ano aumentamos um pouco mais o preço mínimo do presente para que cada um pudesse ganhar um presente mais legal ainda. E cada um precisa dar apenas um presente. 
A ideia é a seguinte: antes a gente se preocupava em comprar 15 presentes de 20 reais para cada pessoa da família por exemplo. Agora a gente se preocupa de comprar somente um bom presente de 100 ou 200 reais. Aí todas as pessoas ganham as coisas boas que elas queriam e acabamos gastando menos dinheiro. E a noite de entregas é sempre muito divertida e engraçada. 
Eu não estava dentro do sorteio porque eu ia viajar no dia 8. Com a mudança de planos da minha viagem foi realizado um outro sorteio no dia 10. Como eu falei no post anterior essa foi uma das coisas positivas da mudança da viagem. Eu ia passar o Natal sozinha...

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

A caminho das Índias

Estou lendo algumas coisas sobre a Índia essa semana. Enquanto eu não viajo e não posso falar sobre as minhas experiências pessoais, vou sugerir algumas coisas para vocês procurarem na internet. A cultura da Índia é muito rica e bem diferente da nossa, muito interessante conhecer. Depois aceito comentários sobre as coisas mais interessantes!

Algumas sugestões
- Procurar essas cidades (procure imagens também):

Agra, Ajanta, Calcutá, Délhi, Elefanta, Ellora, Hampi, Mumbai.

- Sugestões para pesquisar sobre a Mitologia:

Brahma, Ganesha, Hanuman, Krishna, Mahabharata, Shiva, Vishnu.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Nada de visto

Bom, hoje o passaporte chegou, mas o visto para os Emirados não.
Não chegou porque sou menor de idade lá. A maioridade é alcançada com 25 anos, logo mais burocracia e não fica pronto esse ano. Só viajo em janeiro.
Não gostei muito, fiquei chateada e tristinha.
Estava sonhando com a viagem, tudo pronto, era como se eu já estivesse lá.
Tive que desarrumar a mala e ainda explicar para todo mundo o que aconteceu.

Olhando pelo lado positivo vou passar o natal com a minha família. Posso aproveitar um pouco o verão aqui, cortar o meu cabelo mais uma vez e torcer para o meu cartão do banco chegar antes da viagem.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Aventuras do passaporte

Meu passaporte está viajando mais do que eu!
Ele foi pra São Paulo para que o visto para a Índia fosse carimbado na semana passada. Ele ia chegar de sedex10 hoje (provavelmente antes das 10 horas da manhã). Deu 10 horas, 11 horas, meio dia e nada de passaporte. Aí resolvi ligar pra empresa. Eles me falaram que o passaporte tinha chegado na sede da empresa no centro e que seria melhor eu buscar. 
Liguei para a minha mãe, que trabalha no centro, mas estava saindo mais cedo para almoçar em casa comigo. Pedi para ela passar rapidinho na empresa e pegar o meu passaporte com o visto. Ela estacionou o carro (provavelmente em um lugar proibido) e foi rapidinho pegar o passaporte. 
Ninguém sabia de passaporte nenhum. Nem de mim. A recepcionista chegou a falar que eu não era nem funcionária da empresa! Nesse momento parecia que era uma pegadinha para a minha mãe! Mas a mamãe pediu mais informações, o nome de pessoas responsáveis e acabou conseguindo falar com um rapaz no telefone que avisou que o passaporte tinha retornado para São Paulo! 
Bom, eles falaram que iriam tomar providências e minha mãe voltou pra casa. Depois de vários telefonemas, o que eu entendi foi que ele foi barrado no raio-x porque era passaporte e a companhia aérea não poderia fazer transporte de passaportes, algo assim. Ele não tinha sido mandado de sedex10, mas por outro meio.
Moral da história: a passagem foi adiada para o dia seguinte, o passaporte vai viajar novamente para o Rio de Janeiro amanhã e eu vou ficar mais um dia roendo unhas em casa... :(

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Queda da ficha

Queria saber quando vai cair a ficha dessa grande mudança... Quando vou perceber tudo o que está acontecendo é de verdade?
Primeiro achei que seria quando falasse para todo mundo. Todos já sabem e ainda acho que estou contando uma historinha de outra pessoa e não a minha.
Ou quando estivesse com os presentes adiantados de natal. Estou morrendo de vontade de abrir, mas ainda não percebi que vou abrir quando estiver longe.
Achei que seria quando recebesse a passagem. Estou com a passagem nas mãos e nada.
Agora pode ser quando estiver com o passaporte nas mãos com o visto da Índia (porque ainda não chegou de são paulo), quando estiver dentro do avião, ou só quando tiver trabalhando... Ou nenhuma delas! Quando será que vai cair a ficha? rsrs

sábado, 4 de dezembro de 2010

Preparativos para a Viagem

Hoje estava fazendo uma lista de coisas que faltam comprar como mala, escova de dente e meias por exemplo. Algumas das coisas que eu queria fazer antes da viagem como encontrar com os amigos e família já foram feitas. Mas faltam outras: como ver um filme no cinema, comer em um dos meus restaurantes favoritos e comemorar o aniversário da minha madrinha. Tenho apenas 3 dias para fazer o que falta!
Estou animada para a viagem, mas acho que a ficha ainda não caiu... Parece que não está acontecendo comigo... Parece que estou contando a história de algum conhecido que vai viajar e não a minha. Parece que é tudo um sonho ainda!
Ainda não tenho muitas informações como onde vou morar ou como vai ser meu dia-a-dia. Tudo o que eu sei é que vou pegar um avião às 20:00 para São Paulo na quarta feira dia 8 de novembro, e depois um outro às 1:25 da madrugada para Dubai. Vou chegar em Dubai às 20:15 e vou ficar 2 dias me acostumando com o fuso horário. Depois vou pra Abu Dhabi participar de um curso de 6 dias. A próxima parada será a Índia.

Apenas uma historinha:
Quando meu irmão e eu éramos pequenos, um passeio muito legal que fazíamos com o papai era ir ao aeroporto Santos Dummont ver os aviões decolarem.  Nós gostávamos de ver os aviões grandes como o Boeing 737 e o 747. Acho que o 747 que a gente chamava de jumbo era o maior avião que a gente já tinha visto. O Renato tinha um avião de brinquedo que imitava a decolagem e o pouso do jumbo, inclusive os barulhos e a abertura da porta para os passageiros! Para visitar a nossa família em São Paulo íamos de 737 e fomos para a Disney de 747. Eu contei essa história para falar que agora vou viajar de 777! hehe

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Diário de Viagens

Sempre quis fazer diários de viagens. Para não esquecer nada, nenhum segundo, nenhum detalhe. Em algumas viagens escrevi num diário. Não durava muito tempo, apenas a primeira parte da viagem. Depois eu desistia ou a viagem ficava muito interessante e não valia a pena ficar escrevendo e perder os momentos, ou só esquecia mesmo. 
Vou tentar fazer relatos da minha viagem, não vão ser diários, eu acho, já que vou estar ocupada uma boa parte do tempo. Mas quero falar da mudança de cidade, da distância da família, dos amigos, do meu gatinho. E também das novas experiências, do novo trabalho, dos novos amigos, dos novos desafios, da saudade... Estou muito ansiosa para essa nova fase da minha vida. 

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Show do Paul McCartney

Estou indo assistir o show do Paul em São Paulo. Hoje, dia 22 de novembro de 2010 meu pai faria 64 anos.
Cada um tem o seu beatle favorito. O Paul era o beatle que ele mais gostava. Ele dizia que era o mais carismático e talentoso. Em um post anterior, no dia 30 de setembro, escrevi sobre o nome do blog e sobre a tradução da música "When I'm sixty four". 
Não gosto muito de ir a shows, mas esse fiz questão de ir. Antes mesmo de saber que eu iria viajar.
Até agora deu tudo certo! Já estou com os ingressos na mão! E ontem o dia em família foi maravilhoso!

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Vem Dançar

Este final de semana fui à Itaperuna e assisti ao Espetáculo "Vem dançar" da Cia de Dança Paulo Bastos (meu primo). Muito interessante e surpreendente! Nem parecia um show de cidade do interior. Muita variedade de apresentações, figurino bonito e novidades. Sai do espetáculo querendo aprender todos os tipos de dança!
Acho que preciso dançar nesse final de semana! Aceito convites!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Pessoas medrosas

Acho que as pessoas estão muito medrosas. Com medo de tudo. De sair de ônibus, de jogar coisas fora, de cortar o cabelo, de se relacionar, de ter grandes mudanças.
Estou falando isso porque ultimamente estou sendo chamada de "corajosa" o tempo todo. Não entendo. Não é uma questão de coragem, eu acho. 
Não tenho medo de me mudar pra longe, não na era da internet. Não tenho medo de perder meus amigos, porque os verdadeiros amigos vão estar sempre comigo. Não tenho medo de fazer novos amigos quando estiver longe dos antigos. Não tenho medo de cortar o cabelo, ele sempre vai crescer de novo. Não tenho medo de ficar longe da família, vou ter saudade. E não medo. Não tenho medo de dar minhas coisas ou de jogar coisas velhas fora.
Acho as pessoas deveriam ver as mudanças como boas oportunidades e não como algo tenebroso.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Operação "Volta à vida saudável"

Hoje foi um dia entre amigos! Piscinas, ofurô, pizzas, sanduíches, wii! Tudo muito gostoso e divertido! São dias assim que me levantam! Amanhã vou começar minha operação "volta à vida saudável'! Vou correr na praia!
E também pra gastar toda as pizzas, sanduíches, brownies e sorvetes de hoje...
Esqueci de falar que comecei o dia pensando nisso e comi frutinhas no café da manhã!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

A escolha

Ser feliz é essencialmente uma escolha.
Escolha de não deixar que as adversidades o transformem em uma rocha que não sente, que não age.
Uma escolha de sorrir logo no começo do dia.
De pisar firme, mesmo não sabendo aonde ir.
De sonhar alto, de pensar alto, falar sozinho.
É principalmente o respeito aos seus próprios desejos, suas próprias vontades, suas escolhas.
Saber que seu mundo é incomparável, que sua personalidade é única, que seus gostos são somente seus.
Descobrir o mundo aos poucos e aos poucos descobrir o seu espaço no mundo.
Perceber a diferença que você faz (ou que pode fazer).
Perceber que o que falta não é tempo, é atitude.
E você aprende que é responsável pela sua vida e que a única coisa que pode mudá-la são suas escolhas.

Susanna Frankel 13/11/2006

Amor sem escalas

Hoje eu vi um filme que se chama "Amor sem escalas" ou "Up in the air" em inglês. Muito interessante e não cai no lugar comum. Apesar de engraçadinho em alguns momentos trata de assuntos sérios como solidão, compromisso, escolhas e futuro. Fiquei bastante pensativa sobre minhas escolhas.
Gostei bastante do filme e recomendo também para aqueles que não são muito românticos.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Sem palavras

Estou sem palavras pra escrever o que estou sentindo.
Acho que é uma saudade antecipada. De tudo.
De tudo o que eu vou sentir saudades quando estiver longe.
O que fazer para conviver com a saudade?

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Pessoas especiais

Hoje eu queria fazer uma homenagem às pessoas mais especiais da minha vida.

Eu não preciso dizer quem elas são, porque elas sabem. Algumas nem vão ler o que estou escrevendo. Hoje eu sou o que sou porque essas pessoas fizeram e fazem parte da minha vida.

Existem aquelas pessoas que não estão mais aqui, mas eu penso todos os dias nelas e lembro de todas as coisas boas que passamos juntos. As coisas ruins servem pra gente aprender lições e não ficar se remoendo.

E aquelas pessoas que não estão fisicamente ao meu lado hoje, mas vão estar amanhã ou depois. Vou aproveitar cada segundo desses momentos juntos.

Hoje eu senti uma coisa muito bonita (essa frase eu roubei do carinhadegatinho) e precisava dividir isso com alguém. 

Hoje eu sou feliz mesmo quando estou sozinha, mas sempre pensando no carinho que eu sinto pelas minhas pessoas especiais. (A única excessão é o Xuxu Pingo que não é uma pessoa, mas é o meu animalzinho de estimação especial).

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Prioridades

Prioridade é o que a gente coloca na frente... Minhas prioridades mudaram com o tempo.
Hoje as coisas que me preocupam são diferentes das que preocupavam na escola por exemplo.
O tempo passa, o tempo muda, a gente cresce, a gente muda também.
Quando temos que tomar uma decisão difícil, são as nossas prioridades que vão definir o resultado.
Agora eu pergunto: quais são as minhas prioridades?
O que eu quero?
Acho que já fiz todas essas perguntas antes...

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Valor

Existem coisas que realmente só damos valor quando perdemos. Mas existem outras que percebemos cada minuto que ela é importante.
Por exemplo, esse mês fiquei sem luz no quarto, no banheiro e na sala. Não eram só lâmpadas queimadas que é só trocar, tá? Era um problema na fiação e precisava de um eletricista. O detalhe é que o eletricista demorou um mês para ir lá em casa.
Nesse um mês eu fiquei sem luz no quarto! Só dava pra tomar banho durante o dia  e a iluminação da sala era a televisão.
Eu realmente senti falta da luz! Não sabia o quanto precisava de luz... As tomadas estavam funcionando, logo não fiquei sem eletricidade durante um mês. Isso eu também sei que sentiria muita falta.
Finalmente, o problema foi arrumado essa semana. Mas agora é diferente, toda vez que eu entro no quarto eu fico mais feliz ao ligar o interruptor.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Aracaju 3

Dormi às quatro, mas tive que acordar às cinco e meia... Era melhor fazer o check-out antes das seis, o café da manhã era servido às seis e o ônibus sairia as seis e meia! Conseguimos fazer tudo no tempo certo e quem atrasou foi o motorista do ônibus!
Não consegui dormir no ônibus desta vez, estava muito ansiosa. Assim que chegamos na empresa fizemos a prova sem consulta, mas tivemos apenas vinte minutos. Depois começou a rodada de entrevistas individuais em inglês.
Eu era a nona a ser entrevistada. A gente tinha cinco minutos para fazer a nossa apresentação pessoal, que era responder algumas perguntas como "quem eu sou", "porque estou aqui" e "quais são meus pontos positivos e negativos". E depois a banca tinha dez minutos para fazer perguntas baseadas no nosso currículo, na apresentação ou nas dinâmicas.
Na hora de responder, achei que uma das perguntas era pegadinha e não respondi muito bem. No outro processo seletivo houve uma pergunta pegadinha e eu cai feio. Não sei se fui muito bem na entrevista. O resultado sai em duas semanas, se for positivo com certeza foi falar para deus e o mundo. Se não for um resultado muito bom, vou ficar quietinha.
Chegamos no aeroporto duas horas antes do voo. Aproveitamos para nos despedir e tomamos (rsrs) um choppinho antes de embarcar. Desta vez não estava mais viajando sozinha... tinha feito novos amigos!

... fim ...

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Aracaju 2

Fui dormir meia noite, mas acabei acordando quando a minha companheira de quarto (Tatiani) chegou por volta de uma da manhã. Dei um oi rapidinho e avisei que a gente conversaria de manhã, porque nós duas estávamos exaustas.

Mal deu tempo de pegar no sono de novo, quando o telefone do quarto toca às três da madrugada. Era a recepção avisando que tinham deixado uma apostila para uma prova que teríamos no dia seguinte. Acordei com o meu mau humor contagiante, coloquei uma bermuda e desci pra pegar a apostila.

A apostila era toda em inglês e tinha cinquenta páginas sobre um tema que a gente nunca tinha ouvido falar! A prova seria às sete e meia da manhã. Socorro! Perdi o sono! Tinha apenas algumas horas pra estudar! A Tatiani estava muito cansada e disse que não ia conseguir estudar. Pra tentar ajudar eu sugeri ler a apostila em voz alta e anotar as coisas mais importantes. Ela gostou da idéia e ficamos estudando juntas. Ficamos estudando até as cinco da manhã e resolvemos deixar de ler o último capítulo pra tirar uma soneca. Dormimos apenas meia hora, acordamos e tomamos banho, às seis horas já estávamos tomando café da manhã no restaurante.

O ônibus saiu às sete e demorou uns quarenta minutos pra chegar até a sede da empresa. Aproveitei e tirei uma outra soneca. Cheguei melhor na empresa. Tivemos quarenta minutos pra fazer a prova sem consulta. Acho que ninguém foi muito bem, mas eu errei coisas bobas...

Depois da prova começaram as dinâmicas de grupo. Nos divertimos muito nas duas dinâmicas. A primeira foi assim: primeiro todos os participantes tinham os olhos vendados. Depois as recrutadoras nos rodavam um pouco e passavam uma corda por todos formando uma linha sinuosa. A dinâmica consistia em resolver a tarefa dada em apenas 10 minutos. 

- Agora formem um quadrado! - Essa foi a tarefa dada pela recrutadora. A primeira coisa que eu pensei foi f..! Todos começaram a falar ao mesmo tempo, cada um dava uma idéia diferente e quando a idéia era boa, uns começavam a fazer e outros não obedeciam. Os dez minutos voaram e outra tarefa foi dada:
- Agora um triângulo! - mais dez minutos se passaram e não conseguimos nada...
- Agora um losango! - outros dez minutos se passaram, mas desta vez conseguimos dois lados do losango (deu pra ver depois que tiramos a venda dos olhos)

Depois que a dinâmica terminou começou um blá blá blá sobre tarefas, equipe, líderes, etc. E foi perguntado se alguém estava vendo. Por um momento eu pensei "eu estava vendo o meu pé, mas não vou falar senão vai parecer que estava sendo desonesta". Aí umas pessoas falaram que sim e outras que não. Aí umas 5 pessoas levantaram as mãos. Eu pensei "nossa, que pessoas honestas que falaram que estavam olhando o pé". Mas na verdade aquelas pessoas estavam sem as vendas. As vendas foram tiradas como parte da dinâmica e eram realmente as vozes que eu mais ouvi. Eles tinham que ajudar o grupo a concluir a tarefa sem falar que estavam vendo. Muito interessante, mas nenhuma das tarefas foi concluída...

A segunda dinâmica era chamada de perdidos na lua. Em grupos de quatro ou cinco pessoas nós tínhamos que decidir quais itens eram mais importantes para uma viagem de 200 milhas na lua até encontrar a nave mãe. Os itens variavam entre tanques de oxigênio, comida, água, mapa estelar, bússola, fósforo, barco inflável, kit de primeiros socorros, e assim por diante. Alguns eram completamente inúteis como fósforo e bússola, outros importantes como comida e água, e outros de importância questionável como barco inflável e para-quedas. O objetivo era colocar em ordem de importância de 1 (mais importante) a 15 (menos importante), os dois grupos que ficassem mais distante da escolha da NASA iam pagar um mico no jantar.
Aparentemente o nosso grupo foi bem (houve uma pequena discussão entre a colocação do revólver e dos fósforos) e ficamos livres de pagar o mico.

De almoço recebemos uns sanduíches de carne ou frango com maionese e depois seguimos para as visitas técnicas. Para isso foi preciso vestir o macacão e equipamentos de segurança (capacete, óculos, bota, luvas). As visitas foram interessantes, mas nem sempre eu entendia tudo, às vezes não entendia nada. Depois de muitas horas de visitas, a tarefa agora era montar um encanamento de cimento de uns trinta metros de comprimento debaixo do sol com uma marreta. O meu grupo tinha cinco pessoas e nós tínhamos quarenta minutos para resolver essa tarefa. Nós fizemos em uma hora e dez. Todos do grupo suando em bicas dentro do macacão laranja!

Depois de tirar o macacão e os equipamentos de segurança fomos até o ônibus. Dormi no caminho novamente trinta minutos para recuperar as energias. No hotel tivemos tempo suficiente para tomar banho e se arrumar para o jantar na churrascaria. Isso porque minha companheira era supermegahiper rápida para tomar banho. Nunca vi igual. Lavou os cabelos bem longos em dois minutos!

Fomos a um restaurante bem próximo ao hotel. A comida era liberada: churrasco, japonês, buffet, sobremesa e bebidas. Inclusive bebidas alcoólicas! Depois de encher a barriga, estava na hora do mico dos grupos que perderam as dinâmicas. Houve uma pequena mudança nos planos: todos os grupos iam ter que pagar o mico!
Bom o primeiro grupo dançou "é o tchan", o segundo contou piadas, o terceiro dançou Xuxa e nós fizemos cenas improvisadas. Pedimos para o público escolher um lugar e uma situação e improvisamos em cima. Foi bem engraçado. O público escolheu um bar gay, depois nós mudamos para um cara tomando banho, e em seguida para uma banda de rock. Depois de muitas rodadas de tequila e amarula, a conta da empresa chegou no limite e tivemos que ir embora.

Ao chegar no hotel, as recrutadoras nos deram uma apostila para outra prova (socorro de novo!) e uma cartolina para fazer uma apresentação pessoal em inglês para a última entrevista. Fomos correndo para o quarto fazer a apresentação. A Tatiani não conseguia fazer a apresentação dela direito, ela disse que tinha a letra feia e não sabia fazer linha reta. Eu fiz o meu cartaz e ajudei depois a fazer o dela. Usei as madeiras do chão para fazer as linhas retas e fiz uma letra bem diferente em casa cartaz.

Pegamos um dicionário em inglês emprestado e começamos a ler a apostila. Li rapidamente para saber do que se tratava, porém várias palavras eram muito específicas e não estavam no dicionário. Desisti e fui dormi umas quatro da manhã.

.... Continua ....

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Aracaju

Passei três dias em Aracaju participando de um processo seletivo para um trabalho. Mas parece que foi apenas um dia separado apenas por duas sonecas de duas horas cada... Vou fazer 3 posts pra separar os dias pelas sonecas.

A viagem começou no aeroporto do Rio, na minha primeira viagem de avião sozinha! Durante o voo eu ficava olhando para as pessoas para ver quem estava com cara de perdido igual a mim. Já que haviam mais 6 pessoas naquele voo que iriam participar do processo seletivo comigo. Depois de conhecer as pessoas, percebi que só acertei uma delas.

Chegamos ao aeroporto de Aracaju às 15:30 e nos reunimos em um ponto de encontro combinado para pegar a van. A van levou todos para um hotel na orla, mas como ninguém se conhecia ainda ficamos quietinhos sem conversar. Troquei algumas palavras apenas com o menino que estava do meu lado que puxou conversa.

Fiz o check-in e fui para o quarto tomar um banho e descansar. Estava sozinha no quarto ainda porque minha companheira de quarto ia chegar meia noite. Achei que era um desperdício ir até Aracaju e não conhecer a cidade. Coloquei uma bermuda e já estava saindo sozinha quando recebi um telefonema dizendo que todos estavam na recepção esperando para dar uma volta juntos. Achei ótimo, ia ser uma boa oportunidade para conhecer o pessoal.

A praia era ótima! Água quentinha! Tinha um grande faixa de areia e bastante vegetação, muito bonita. Acabamos encontrando mais três participantes na praia, dois paulistas e um mineiro que tinham chegado num voo anterior.

Decidimos então procurar algum lugar pra comer, porque o jantar só ia sair 4 horas depois. Alguns restaurantes da orla ainda não estavam abertos e outros serviam refeições muito pesadas e a gente queria apenas um lanchinho ou uma pizza. Pedimos informação na pizzaria que estava fechada e encontramos a única lanchonete aberta da região.

Na lanchonete pedimos sanduíches e ficamos conversando. Haviam pessoas do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, das diversas cidades do interior e capitais. Éramos 15 pessoas. Voltamos para o hotel para tomar banho e se arrumar para o jantar.

O jantar foi no hotel mesmo. Vou admitir que estava esperando um pouco mais do jantar. Conversamos bastante, mas senti que as recrutadoras ficaram enrolando a gente muito tempo depois que acabou o assunto. Parece que queriam que a gente fosse dormir mais tarde...

Só liberaram a gente pros quartos umas onze e meia da noite. Cheguei no quarto e liguei pra casa para falar que estava tudo bem. Estava ansiosa e só consegui dormir uma hora depois, meia noite e meia.

... Continua ...

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Bukowski

Ontem fui ao Bukowski porque a festa "I don't wanna grow up" teria pula-pula e piscina de bolinhas para adultos (véspera do dia das crianças). 

Tive um dia muito cheio e cansativo e só consegui chegar ao bar a uma da manhã. A fila estava um pouco grande e eu entrei no final (óbvio). Esperei uns vinte minutos e nada. Continuava no mesmo lugar, porque ainda estava ao lado de um canudo que alguém tinha jogado no chão. Aí resolvi ligar pra minha comentarista número 1 e ela veio me fazer companhia.

Ficamos umas duas horas conversando e andamos uns dois metros, só porque as pessoas estavam desistindo de entrar. Os assuntos já tinham acabado e talvez tenham entrado apenas umas cinco pessoas nessas duas horas.

Todos as minhas amigas já estavam querendo ir embora, logo todas foram pagar a conta e ficamos conversando do lado de fora. Depois todas fomos para casa conversando.

Moral da história: não consegui pular na piscina de bolinhas nem no pula-pula, fiquei cansada de esperar tanto tempo em pé na fila, dormi muito pouco porque só cheguei em casa às quatro da manhã, mas pelo menos tive bastante tempo pra colocar os assuntos em dia!

sábado, 9 de outubro de 2010

Dúvidas

Fui em uma reunião que eu sempre ouvi falar e sempre tive curiosidade de ir. A reunião se resumia numa leitura de um trecho de um livro de psicologia e depois alguma discussão e explicação de trechos mais difíceis.

Achei interessante uma parte que se falava de auto-engano. De coisas que nós mentimos pra nós mesmos. Claro que isso não acontece comigo, foi a primeira coisa que eu pensei, é óbvio que não crio ilusões nem falsas realidades dentro da minha cabeça, isso é coisa de maluco. 

Mas isso já era uma mentira que eu estava falando pra mim. Algumas coisas eu realmente tento me enganar, e tento esconder isso com todas as minhas forças das outras pessoas. Às vezes é apenas uma pequena mentirinha como: "vou parar de roer unhas depois que ganhar um bichinho de estimação". Hoje o meu gato já tem 15 anos e eu ainda tenho problemas com as minhas unhas. Ou que não tenho problemas com o tamanho dos meus dentes ou com auto-estima. Mas outras vezes a mentira pode ser maior e prejudicial, e sobre essas eu nunca falo. Mas essa discussão me fez refletir sobre isso, já que é um passo pra começar admitir as coisas. 

Outra discussão era o medo que as pessoas tem de ficar sozinhas. Isso eu pensei bastante e acho que não tenho, mas nem disso eu tenho certeza. Se eu for morar em outro país, como vai ser? Não sei, mas pode ser que seja ótimo, pois sempre fui uma boa companhia pra mim mesma. E se não tenho companhia, dificilmente deixei de fazer algo.

Fiquei bastante reflexiva igual ao dia do post "reflexões". Pois uma das coisas que eu tento me enganar é sobre essas pessoas que já quebraram a minha confiança uma vez. Mas por gostar muito delas finjo por dentro que nada aconteceu. Sempre tem alguma situação que me traz lembranças, mas aí eu coloco a poeirinha debaixo do tapete.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Infinitas Caixinhas

Hoje eu fui ao centro da cidade para resolver algumas coisas. Uma delas era comprar umas caixinhas para guardar as lembranças de um batizado. Eram apenas 10 caixinhas para 10 lembrancinhas. Comprei as caixas e as tampas desmontadas. Quando cheguei em casa montei e coloquei lembrancinhas dentro. Essas dez caixinhas me tomaram uma hora para montar e preencher.
Aí me lembrei de uma páscoa que a minha mãe resolveu dar um brinde para TODAS as pessoas do PRÉDIO onde ela trabalhava (não da sala). Simplesmente uns três mil brindes. Ao invés de comprar lembrancinhas prontas e entregar direto na portaria do prédio, ela chegou em casa com três mil caixinhas para montar e três mil bombons avulsos para colocar dentro das caixinhas. E falou pra mim e pro meu irmão que precisava da nossa ajuda com os bombons. Nós não sabíamos a dimensão do problema e falamos: "Ok, vamos ajudar ".
As três mil caixinhas demoravam (na melhor das hipóteses) 25 segundos cada uma para ser montada mais 5 segundos preencher com bombom e fechar. Se a gente tivesse feito a seguinte conta: 3000 (caixas) x 0,5 (tempo de montagem) / 60 (minutos) = 25 horas de trabalho, a gente teria pensado duas vezes.
Depois de uma semana montando caixinhas e colocando os bombons dentro (detalhe: os bombons eram maiores que as caixas, logo as caixas ficavam um pouco estufadas e precisavam de um jeitinho pra fechar), minha mãe começou a ficar preocupada...
Meu irmão pediu ajuda pros amigos dele, eu pedi ajuda pra algumas amigas, fizemos uma linha de montagem (houve uma redução no tempo de produção) e em 2 dias já estávamos terminando.
No final da montagem descobrimos que tínhamos mais bombons que caixinhas (sobraram uns cem) que ficaram como pagamento pelo bom trabalho realizado. Foi uma pena que os melhores sabores já tinham sido empacotados dentro das caixinhas. Se eu soubesse que ia sobrar tantos, os de sabor limão teriam sido empacotados primeiro.
Pelo menos, o final da história teve um final feliz e os brindes foram um sucesso no trabalho da minha mãe. Algumas pessoas tentavam passar mais de uma vez pela saída só pra pegar mais brindes.
Agora, se a minha mãe agora resolver aumentar o número de pessoas que vão receber lembrancinhas no batizado semana que vem eu vou pensar mais que duas vezes...

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Pesadelos

"Eu tive um pesadelo horroroso. Estava sonhando que monstros parecido com leões tinham entrado pela janela do meu quarto enquanto eu dormia e começaram a me atacar. Eu lutei e gritei, mas podia sentir as garras me arranhando e dentes me mordendo.
Então eu acordei, suada e ofegante. Olhei em volta, pra ter certeza, e soltei um "ufa" por tudo não ter passado de um sonho.
Então, ouvi um barulho terrível. Os monstros quebraram a janela, entraram e começaram a me atacar, exatamente como no sonho. O terror foi ampliado pela lembrança do pesadelo que eu tinha acabado de sonhar. Meus gritos se transformaram em soluços quando percebi a impotência da situação.
Então eu acordei, suando mais ainda e mais ofegante. Isso era um absurdo. Eu tive um sonho dentro de um sonho. Da primeira vez que eu aparentemente tinha acordado, na verdade ainda estava dentro do sonho. Eu olhei ao redor do quarto outra vez. As janelas estavam intactas. Não havia monstros. Mas como eu podia ter certeza de que, dessa vez, eu estava realmente acordada? Eu esperei que o tempo respondesse."

sábado, 2 de outubro de 2010

Start a Party

Tomei banho, coloquei pijama e já estava deitada na cama lendo livro, pronta pra dormir. Já eram onze horas da noite e minha mãe avisa que queria uma companhia pra levar uma amiga em casa. Tudo bem, coloquei uma bermuda meio contrariada, peguei o celular e saímos de carro.
No carro recebi uma ligação perguntando se eu não queria ir ao Paço Imperial. A primeira coisa que eu pensei foi: passeio cultural amanhã de manhã (não fiquei muito animada). Mas era hoje. Aí fiquei mais confusa ainda, ir ao Paço Imperial à noite não dá, ele vai estar fechado. Além disso a região é meio perigosa nesse horário.
Depois do choque inicial, ele falou que era uma festa só para convidados e que os nossos nomes estavam na lista. Minha mãe começou a ficar animada ouvindo a conversa porque ela leu sobre essa festa em uma revista. Uma festa patrocinada por um fabricante de uísque que ocorre em vários lugares inusitados no mundo. Fiquei animada também. Bom, fui correndo pra casa, coloquei vestido, maquiagem, salto alto e fiquei pronta em 15 minutos.
Chegamos ao Paço e ficamos impressionados com a fachada do prédio. Parecia que a fachada estava em movimento com umas projeções 3D e animações. Muito interessante.
Entramos por um tapete vermelho, passando por umas pessoas fantasiadas de época, e entramos no prédio. Tudo muito arrumado e organizado, tocando música eletrônica e uns barmans fazendo malabarismos. Fomos explorar a festa e pegar umas bebidas. Vários drinks liberados, de água de côco com raspas de côco queimado, de sprite com fava de baunilha e outros. Estavam sendo servidos sanduíches pequeninos de salmão com cream cheese, rosbife, queijo provolone e pacotes de biscoito globo. Encontramos também um freezer cheio de sorvetes Häagen-Dazs. Depois de experimentar alguns sanduíches e tomar alguns sorvetes fomos dar uma volta na festa.
Haviam muitas pessoas bem arrumadas tirando fotos com fotógrafos profissionais. Algumas delas sendo entrevistadas por repórteres e equipes de filmagem. Como eu não conheço ninguém não posso dizer se eram famosas ou não. No pátio interno do paço, ao olhar para as janelas do segundo andar, às vezes era possível ver pessoas com roupas da época. Uma viagem no tempo.
Fomos para a pista de dança. Algumas das pessoas fantasiadas de roupas coloniais (meio misturadas com crepúsculo) ficavam dançando em cima de puffs no meio da pista, o DJ era o André Marques.
Ficamos na festa até umas 3 e meia da madrugada. Lembrando que era quinta feira, ninguém deve trabalhar no dia seguinte. Acordei no dia seguinte achando que era sábado, me senti uma completa desocupada.
Mas fiquei melhor quando lembrei que ainda tinha uns sorvetinhos escondidos na geladeira....

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Cara de Pipoca

Não falei porque coloquei o nome do blog de Cara de Pipoca.
Ana Pauloca era como o meu pai sempre me chamava.
E toda vez ele rimava com alguma coisa diferente como entrando na toca, querida filhoca, comendo pipoca ou menina boboca. E quando mandava um e-mail às vezes escrevia uma beijoca. Mas na maioria das vezes eu era Ana Pauloca cara de pipoca.
Uma vez traduzimos juntos a música "When I'm sixty four" dos Beatles, quando o Paul McCartney fez 64 anos. Esse ano meu pai faria 64 anos.

"Querida Ana Pauloca,
Está fazendo 40 anos o LP (long playing disc)  "Banda do clube dos corações solitários do sargento Pimenta" dos Beatles.
É o dobro da sua idade.
Na época eu tinha a sua idade atual de 20 anos.
Morava na cidade universitária da USP (CRUSP) e um amigo comprou o disco.
Ele tinha uma vitrola (você ainda se lembra o que é isso?) portátil e seu apartamento no conjunto ficava lotado de alunos querendo ouvir o que foi o melhor que o genial conjunto de compositores e cantores produziu.
A maior parte das composições desse album é do mais simpático deles,  Paul Macartney, que fez 64 anos neste ano (ele compôs a música "When I'm sixty four" quando tinha cerca de 20 anos}.
Um beijo.
Papai"

Para ouvir: "When I'm sixty four"
When i get older losing my hair,
Many years from now.
Will you still be sending me a valentine
Birthday greetings bottle of wine.
If i'd been out till quarter to three
Would you lock the door,
Will you still need me, will you still feed me,
When i'm sixty-four.
You'll be older too,
And it you say the word,
I could stay with you.
I could be handy, mending a fuse
When your lights have gone.
You can knit a sweater by the fireside
Sunday mornings go for a ride,
Doing the garden, digging the weeds,
Who could ask for more.
Will you still need me, will you still feed me,
When i'm sixty-four.
Every summer we can rent a cottage,
In the isle of wight, if it's not too dear
We shall scrimp and save
Grandchildren on your knee
Vera chuck & dave
Send me a postcard, drop me a line,
Stating point of view
Indicate precisely what you mean to say
Yours sincerely, wasting away
Give me your answer, fill in a form
Mine for evermore
Will you still need me, will you still feed me,
When i'm sixty-four.

Refexões

Essa semana uma amiga mandou uma mensagem muito forte no twitter sobre quebra de confiança. Ela escreveu que era muito difícil (ela usou outra palavra no lugar de difícil, mas resolvi censurar no blog) quando você confia em alguém e essa pessoa quebra a sua confiança. É como se a amizade não valesse nada.
Fiquei pensando bastante sobre isso. Esse é o tipo de coisa que quando acontece com a gente, não dá pra pensar em outra coisa, nem comendo chocolate. E acaba atrapalhando todos os outros pensamentos, atividades durante o dia e o sono à noite. Principalmente se essa pessoa for especial demais.
Eu não sei se é porque eu sou muito bobinha ou boazinha, mas muitas pessoas já fizeram isso comigo. Não foi uma vez nem duas. Não estou dizendo que sou santinha não. Já magoei pessoas também, já perdi amigos. O que quero dizer é que sei como é esse sentimento de quebra.
O que fazer se a pessoa se arrepende depois? A confiança volta? Tudo pode ser como antes? Ou em um patamar abaixo? É possível mergulhar de cabeça de novo? Ou sempre com um pé atrás?

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Referência

Outro dia eu precisei pedir uma referência a um antigo professor meu, pois estava me inscrevendo em um curso de pós graduação. E a resposta foi simples, apenas uma linha. 
Me deixou feliz, ganhei o dia. As vezes uma coisa tão pequena pode mudar o nosso dia pra melhor.
Isso foi o que o professor escreveu:
"Pode deixar que, quando solicitado, eu darei uma boa referência sobre você. Como foi boa aluna, não será difícil fazer isso."

domingo, 19 de setembro de 2010

Belém do Pará

" Belém é uma capital rica em cores, cheiros e sabores, que podem ser sentidos em cada esquina: nas barracas de tacacá, nas vendas de açaí, anunciadas com bandeirinhas vermelhas, e nas mangas que caem das árvores. 
São especialidades da culinária mais típica do Brasil, frutos da natureza pródiga, da colonização portuguesa e das heranças indígena e africana. Uma miscigenação cultural e racial que também se faz presente no artesanato e no folclore."

 Estou indo pra Belém amanhã! oba!!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Livros

Sempre gostei de ler livros. Ler sem compromisso. Qualquer livro que me despertasse a vontade de ler, que alguém tivesse me indicado ou apenas um livro qualquer da estante de casa. 
Sempre li os livros que ganhava de presente, mesmo que a capa (às vezes julgo os livros pela capa) ou o que estava escrito nas orelhas não fosse tão interessante. Os chatos eu terminava de ler por orgulho, porque não gosto de deixar uma leitura inacabada.
Adoro indicações de livros e de pegar livros emprestados. E costumo devolver sempre (ao contrário de alguns livros meus, que nunca voltaram). 
Sou eclética, gosto de diversos gêneros e autores, mas tenho meus autores preferidos.
Sempre que chego na casa de uma pessoa com uma vasta estante fico observando os títulos e acho legal encontrar livros que eu já li.
Gosto dos livros da minha casa. Gosto de passar o olho na estante e lembrar das histórias. Lembro também das épocas da minha vida que eu li. Isso também faz toda a diferença. Um livro lido duas vezes pode parecer ter duas histórias diferentes, pois são duas épocas da sua vida. Ler um mesmo livro novamente não significa ter a mesma impressão sobre ele.
Adoro conversar sobre livros lidos. Cada um também tem sua impressão sobre os personagens e histórias.
Sempre tenho vários livros ao lado da cama, pois gosto de ler antes de dormir. Ultimamente tenho tido dificuldade para ler de noite, pois a fiação da lâmpada do meu quarto precisa ser trocada e o abajur me deixa com dor de cabeça.
Algumas pessoas me falaram que ler bastante ajuda a escrever melhor. Ainda estou esperando melhorar...


segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Viajar ou não viajar

É umas das coisas que eu mais gosto de fazer. Conhecer novas culturas, se perder em lugares desconhecidos, não entender nada que as pessoas estão falando, nem o que está escrito numa placa.
Comer um monte de coisas diferentes, que nem sempre são boas... Como uma gororoba de milho recheada com restos de carne de porco e frango embalados em uma folha de milho da Colômbia.
Mesmo sem viajar também é possível ter contato com outras culturas. 
É só se abrir para mostrar o que é nosso para estrangeiros. Adoro receber pessoas de outros lugares e mostrar a cidade, como se fosse um guia turístico. Adoro quando minha família e amigos de outras cidades vem para o rio de janeiro, ou quando amigos de amigos vem de outro país. Tudo bem que enche um pouco o saco mostrar a mesma coisa mil vezes, mas é por isso que acabo conhecendo melhor a minha cidade, mostrando lugares novos sempre que possível.
Mesmo que a gente não saiba toda a história de um monumento como um guia sabe, podemos dizer que era aonde nossa família costumava nos levar quando pequenos. Essa é a nossa impressão, nossa experiência.
Minha mãe estava querendo hospedar um estrangeiro lá em casa. Só temos um problema, não temos espaço. Estamos pensando em alternativas, mas realmente a casa é bem pequena. Mas eu sei que ainda vou fazer isso. 

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Fazer nada!?

Eu não entendo aquelas pessoas que falam assim: aquele emprego é muito bom, tem um ótimo salário e nenhum trabalho. Ou que fulaninho ganha muito bem, mas não faz nada.
Eu não gostaria de ser uma dessas pessoas que não faz nada. Fazer nada é muito chato. Sem objetivos.
Eu sai de um estágio que eu não fazia nada, algumas pessoas me perguntaram porque eu sai. Eu respondi que eu não teria nada pra fazer lá, nada a me acrescentar e preferi sair. E muitos acharam que era melhor ficar lá e continuar parada ganhando aquele certo dinheiro.
Eu acredito que trabalhar ou estudar faz muito bem, faz a gente aprender, sair do mesmo lugar, contribuir com o mundo.
Estou de férias agora. Aproveitei pra tirar idéias do papel, resolver coisas pendentes e desenterrar metas.
Não consigo ficar sem fazer nada. Não sei como as pessoas conseguem.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Cyber Interview

Estou participando de diversos processos seletivos pra conseguir um emprego. Para todos, tive que me inscrever no site, fazer diversas provas de inglês e lógica e depois, se eu passar, entrevistas e dinâmicas de grupo. Muito chato. Mas o diferente é que em um desses processos eu terei que fazer uma cyber interview, uma entrevista pelo computador, usando webcam e fones de ouvido. Marquei para semana que vem. Não sei se gosto muito da ideia. Acho que eles querem eliminar muitos candidatos antes de chegar as entrevistas e dinâmicas. Não estou muito a fim de fazer não, mas só porque é diferente, agora quero saber como é.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Casa de Festas

Esse final de semana eu fui a uma festa de 3 anos em uma casa de festa. Adorei a festa, muitos salgadinhos, docinhos, crianças fofinhas brincando e rindo, brindes legais, etc. Mas nada para os pais das crianças fazerem, a não ser olhar as crianças e comer. Aí eu fiquei pensando se não haveria uma casa de festas para adultos... Com paredes de escalar, pontes, piscina de bolinhas, pula pula, e outros brinquedos para o nosso tamanho. Não brinquedos eletrônicos como os que existem em shoppings hoje em dia, mas brinquedos que todos gostaríamos de brincar novamente. Eu iria uma festa nessa casa de festa de adultos, onde eu pudesse brincar com os meus amigos o que nós brincávamos na infância. Acho que é porque quando começou a moda de casa de festas para crianças e meus amiguinhos começaram a fazer festas lá, eu já estava crescendo e não podia brincar em todos os brinquedos. Eu lembro de uma festa de um amiguinho do meu irmão (mais novo) que eu fui tentar escalar uma parede e o equipamento de escalada era pequeno demais pra mim (não passava pelas minhas coxas!) e eu não pude escalar. Depois fui tentar ir na piscina de bolas e também não pude ir porque era somente para crianças pequenas. E eu nem era uma criança grande, mas já estava ficando "velha" para brincar.
Fica a idéia pra algum empresário que queira investir em festa para adultos-criança.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

500 days of summer

O título é o nome de um filme muito bom, onde Summer é o nome de uma garota pela qual o personagem principal se apaixona. Esse filme mostra como são as verdadeiras histórias de amor, aquelas que realmente acontecem com a gente. E não que "todos viveram felizes para sempre".
E summer também é verão em inglês. 500 dias de verão é o que está acontecendo aqui no rio de janeiro, já que a temperatura está em 35 graus no inverno!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Sim!

Essa semana eu vi um filme chamado "Sim, senhor" ou "Yes, man" em inglês, com o ator Jim Carrey.
Resumindo a história era assim: Carl era um cara que dizia não pra tudo, pros amigos, pros convites pra sair, pros panfletinhos de rua, pros emails, etc. Aí um amigo leva ele pra um evento de auto-ajuda que prega dizer sim pra qualquer coisa que apareça. Só que um cara do evento joga uma maldição no Carl, logo sempre que ele disser não, algo de ruim vai acontecer. Então Carl começa a dizer sim pra qualquer coisa, toda e qualquer coisa, só que a vida dele começa a melhorar. Ele conhece uma moça, é promovido, faz novos amigos, faz um monte de cursos, aprende coisas novas, etc. É claro que acontece umas coisas erradas ao longo do filme e que a moral da história é que vc esteja aberto às oportunidades e não que diga sim sem critério nenhum. 
Mas agora eu sou adepta do sim! Eu tenho meus critérios, é claro, mas digo sim porque algo legal sempre pode acontecer se vc experimentar. Devido a um monte de sims que eu disse, nesse final de semana eu dormi umas 5 horas no total. Porém um monte de coisas boas aconteceram porque eu estava aberta a todas as oportunidades... (e depois eu dormi 15 horas seguidas de domingo para segunda pra compensar)

sábado, 21 de agosto de 2010

Centro da cidade

Hoje não estou com muita vontade de escrever, mas não posso deixar de falar do dia que eu fui ao centro da cidade. Fui com duas amigas só pra fazer companhia, já que eu não tinha nada pra fazer. Uma delas queria comprar camisetas baby look e eu ia aproveitar a viagem e comprar papel de presente pra embrulhar o presente de aniversário da minha mãe.
Primeiro fomos comprar as camisetas baby look brancas. A pessoa que nos atendeu na loja não podia ser uma atendente pior, um bom humor contagiante. Vendeu uma camiseta que não tinha no estoque e só na hora de ir embora, minha amiga percebeu que a camiseta que estava dentro da sacola não era o número dela. Foi um problema trocar e pedir a nota fiscal.  Ficamos muito estressadas. Resolvi passar apenas na primeira loja de embalagens e pedir um rolinho de papel de presente. O problema é que passamos em uma loja que vendia somente a atacado, logo eles só tinham rolos de 150 metros de papel! Como eu não ia precisar embrulhar todos os móveis da casa, resolvi comprar em uma papelaria mais perto de casa. O passeio pelo centro da cidade foi divertido, e o que eu mais gostei foi a venda de camisetas a 1 real... Nunca tinha visto camisas tão baratas!

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Ipanema

Depois de muitos meses sem ir à praia, decidir ir à praia de Ipanema. Estava tão branca que fui confundida com turista americana pelo cara do mate. Não fiz por onde, comecei a conversar em inglês com o cara. Até que ele se vira bem no inglês! Bom, mas nem tanto assim, porque não reparou no meu sotaque de brasileira. Mas eu ainda consegui um desconto!
Comprei um biscoito globo e um mate leão, acabei negociando uma saia e depois uma garrafinha de água. O cara do óculos não quis pechinchar, nem o cara da esfiha. Me diverti com o cara do mousse: "O melhor!! É o melhor!! É o melhor mousse de ipanema! Não sou eu quem falo, é o povo de ipanema quem diz!". E também com o cara da peteca, que fica assustando os gringos distraídos atirando a peteca em cima deles! E ensinando em inglês como se rebate uma peteca. Até que uma moça começou a gritar: "enough, enough", mas o cara continuava a jogar a peteca nela. Acho que ele não entendeu que era pra parar...
Ainda tinha o cara do sanduíche, a moça das tranças e das tatuagens de henna. Isso tudo num dia no meio da semana, numa quinta feira! A praia estava cheia! Aí eu fico pensando: acho que ninguém trabalha nessa cidade! Só os vendedores ambulantes na praia...

O que fazer agora?

 - Você sempre consegue o que quer! - disse uma grande amiga quando eu estava reclamando da vida.
E era verdade, sempre que eu queria alguma coisa eu lutava por ela e conseguia. Até as vontades que eu já tinha esquecido que queria eram realizadas. Mas o grande problema é que agora eu não sei o que eu quero.
O que fazer quando se está em dúvida, mas mesmo assim é preciso tomar decisões? Porque não fazer nada também é uma decisão. Ficar em cima do muro não é opção quando a escolha é grande e pra toda a vida. Nem dá pra falar "tanto faz", ou "escolhe pra mim". Não sei o que fazer e ninguém pode escolher pra mim...
Já pedi um monte de ajuda, um monte de conselhos... mas não adianta, sobrou pra mim.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Dia cheio

Existem dias que não temos nada pra fazer, outros que são muito cheios e não dá nem pra respirar.
Hoje foi um dia cheio. Parece que se passou uma semana em apenas um dia. Muitas coisas pra fazer, muitos lugares para ir, muitos assuntos pra conversar.

Trilha, cachoeira, pedir carona, procurar emprego, chorinho, dose dupla de pastel, amigos. Hoje seria um dia que daria pra escrever muita coisa. Mas eu estou tão cansada que só o que eu quero é dormir....

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Meu blog

Sempre quis fazer um blog!
Ainda estou aprendendo como mexer...
não sou tão criativa assim, nem sei se vou postar tanto assim...
mas não custa nada tentar... rsrs