quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Ferrari World

Hoje foi o meu dia de folga e resolvemos fazer um passeio diferente. Fomos para o parque da Ferrari (Clique aqui), onde andamos na montanha russa mais rápida do mundo! Foi muito divertido!
  
Junto comigo foram dois franceses (Florian e Xavier), um italiano (Francesco), um holandês (Jeroen), um americano (Jack), um canadense (Eric), uma australiana (Misty) e um saudita (Aloshan).
Eu gritei tanto que estou rouca agora e também fiquei rosinha porque esqueci de passar o protetor solar.
Agora já estou estudando de novo para a prova de amanhã. Minha memória está bem seletiva e estou tendo problemas em lembrar algumas coisas... Provavelmente o meu próximo post será no dia 3 de março quando terei minha próxima folga.


Sinal de vida

Esse post é só pra dar um sinal de vida!
E pra falar que amanhã é o meu primeiro dia de folga desde que eu fui para a Índia!
Estou adorando morar aqui em Abu Dhabi, mas o curso é bem difícil. Não vou falar que é mais difícil que a faculdade, porque é um difícil diferente. São muitas informações novas que minha memória não está captando. Poucas horas de sono, muito trabalho pesado.
Mas em compensação, muitos amigos de vários lugares do mundo.
Um pouco de saudade de casa.

Obs: Já tenho um celular dos Emirados, quem quiser me ligar, pode me pedir o número por email. As fotos virão no próximo dia de folga: 3 de março.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Mudança para Abu Dhabi

O motorista me deixou no aeroporto de Baroda umas 9 horas da manhã. Não sei porque os funcionários ficam todos engraçadinhos quando descobrem que sou do Brasil. Sempre falam alguma coisa como Bresil, Romario, Ronaldinho, Futebol, etc.
Mas mesmo com os funcionários engraçadinhos, tive problemas com excesso de bagagem e tive que pagar 1200 rúpias (estou viajando com 3 malas). Cheguei em Mumbai por volta de meio dia morrendo de fome. Um motorista estava me esperando com uma plaquinha escrito "Ana Paul". Entrei no carro super confortável e seguimos em direção ao hotel. Depois de bastante cidade, asfalto, estrada de terra, lugares feios e bonitos, chegamos ao hotel meio remoto em cima de uma morro. Olhando pelo lado de fora eu não dava nada pelo hotel, muito feio. Por dentro era riquíssimo! (Site do hotel)

Como não tive acesso ao email não sabia que hotel, nem tinha o número da reserva, é claro que a recepcionista não achou o meu nome. Eu disse o nome da empresa e nada. Aí ela sugeriu que eu ficasse num outro quarto disponível, mas eu olhei a tarifa e disse que era impossível. A tarifa que a empresa reservou pra mim era menos da metade daquele preço. Tive que ligar para a base da empresa em Mumbai para o funcionário da empresa falar com a recepcionista. A única diferença da informação que ele passou para minha era o sotaque em que ele falou o nome da empresa. De vez em quando tenho que falar o inglês-indiano senão ninguem me entente.

Cheguei no quarto e a primeira coisa que eu tive foi: ALERGIA! Muito úmido, com cheiro de mofo, não dava pra respirar. Deixei as bagagens e saí para almoçar. Depois do almoço fiquei passeando pelo hotel, lendo livro na beira da piscina e fazendo cruzadinhas, porque não queria voltar para o quarto. Voltei para o quarto apenas para tomar banho e sair para jantar.

O restaurante estava bastante cheio, acho que era uma grande excursão de europeus que chegou. Como não havia mais lugares no restaurante, um senhor indiano pediu pra sentar na minha mesa. Ele disse que era piloto na Índia e ficamos conversando um pouco. A primeira coisa que ele perguntou era se eu estava gostando da comida! Eles sabem que a comida deles não é sempre bem vinda pelos estrangeiros. Eu disse que já me adaptei e disse o nome dos pratos que eu gosto e ele ficou super feliz. Eles também sempre perguntam quais línguas falamos aqui no Brasil. Fiz hora conversando com o indiano pra ficar o menos possível no meu quarto mofado.

Arrumei minha mala novamente e quando deu meia noite fui fazer o check-out pra ir para o aeroporto internacional. Chequei no aeroporto com 3 horas de antecedência, o voo era só às 4 da manhã. Tive que pagar excesso de bagagem outra vez.
Fiquei com fome. Olhei na minha carteira e só tinha 90 rúpias. Olhei ao redor e descobri que só dava pra eu comer um pãozinho de alho sem queijo na pizza hut. Depois que eu pedi, foram cobradas 100 rúpias! Acho que é porque os impostos não são incluídos no preço do cartaz. Fiz uma carinha de sofrimento e o caixa deixou eu ficar devendo 10...

Cheguei em Abu Dhabi e logo troquei alguns dirhams, comprei um chip para o celular, entrei na internet pra pegar o endereço da acomodação. Já senti uma diferença no bolso. Tudo aqui é mais caro que na Índia. O taxi do aeroporto para as acomodações da empresa saiu 15 reais e não 50 centavos...

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Valentine´s day

Hoje, dia 14 de fevereiro, o dia dos é comemorado namorados por aqui. A cidade tem alguns lugares com coraçõeszinhos, as meninas e os meninos fazendo compras para os respectivos pares.

Hoje é meu último dia aqui e tenho que fazer as malas. Não gosto muito de fazer malas. E eu tenho malas de mais, não sei como vou carregar tantas. Acho que vou deixar uma mala aqui.

Estou indo para Abu Dhabi por 3 meses e meio para um curso e volto depois para cá. Nada de férias :(Ontem fiquei sem internet e não consegui falar com ninguém no domingo. Bom, pelo menos em Abu Dhabi terei 1 dia ou 2 de folga por semana (muito mais que aqui, que não tive nenhum, nem domingo!).

Que post bravinho! Aposto que quem me conhece consegue me imaginar de braços cruzados (ou na cintura) fazendo bico ou carinha de brava.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Greve de rickshaw e Churrascaria

Os motoristas de rickshaw estavam em greve no domingo, portanto todos os ônibus da cidade estavam lotados de gente. Um pouco diferente da nossa noção de lotação. Os ônibus tinham pessoas saindo pelas janelas e pelas portas (que portas? Não havia portas!). Algumas pessoas estavam apenas segurando a porta, já que não dava pra se pendurar, e iam correndo ao lado do ônibus.
Como hoje era domingo, o cozinheiro não foi trabalhar e depois do trabalho fomos jantar fora. A sugestão de jantar fora fora foi da Namrata, que é vegetariana, logo eu não estava esperando muita coisa do restaurante. 

 Mas o restaurante era maravilhoso! Muitas opções de churrasquinho (rsrs) de frango, peixe, camarão, buffet com muita variedade de comidas e muitas sobremesas!
E depois pra não pesar a consciência, voltamos à pé para casa (na verdade foi por causa da greve).

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Outras curiosidades

Caminhões
Os caminhões daqui parecem que saíram de dentro de uma máquina do tempo. Todos eles parecem antigos e são todos enfeitados. Parecem caminhões-alegóricos de uma escola de samba.

Buzina
Aqui a buzina está sempre presente. Não é como no Brasil que a gente só buzina em certas situações, como quando alguém está fazendo algo muito errado e vai bater em você. Aqui se buzina até para entrar na primeira rua à esquerda.

Chá
A hora do chá é sagrada, todos param de trabalhar umas 10 e meia da manhã e 4 horas da tarde para tomar o chá, tea em inglês ou chai em hindi. O chá é sempre o mesmo, com leite e com açúcar. Eu já me acostumei com o gosto e adoro dar uma paradinha no que estou fazendo para tomar um chá e ficar ouvindo conversas ininteligíveis em hindi entre os outros funcionários.

Animais
Hoje foi o dia de ver um camelo andando pela cidade, esquilhinhos passeando pelo prédio e uma colméia de abelhas na varanda da sala da minha casa!

Cinema
É bem comum ir ao cinema no dia de estréia (sexta feira) de um filme de bollywood. Antes de sair o filme, a trilha sonora já está tocando nas rádios e já existem cds à venda nas lojas. Isso significa que eu já ouvi inúmeras vezes as músicas que vão tocar no filme que estréia hoje. As músicas tocam no rádio do carro que me leva até o trabalho, na música ambiente do shopping, etc... Acho que vou assistir o filme de novo. Desta vez outra pessoa vai fazer a tradução simultânea pra mim.

Hábitos
Descobri que o adesivo que se usa acima dos olhos significa que a mulher é casada (não se usa aliança como símbolo do casamento aqui). Se for um pontinho pintado com tinta entre os olhos é um símbolo da religião hindu e representa um dos sete chakras.
As mulheres costumam deixar as unhas dos pés beem grandes... E eles têm o hábito de lavar beem as mãos antes de almoçar, já que comem com as mãos.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Saree

Chegamos no escritório e iniciei os meus afazeres de Trainee, mas imediatamente todos fomos convocados para uma reunião. Falaram para eu parar de fazer o que estava fazendo e ir para a reunião. 
Fui sem entender nada do que estava acontecendo para a sala de reuniões. Era uma video conferência com todos os escritórios da india! Ocorreu um acidente de carro com 4 funcionários da empresa na Argélia e foi necessário uma reunião para relatar o acidente, tomar medidas para evitar futuros acidentes.
Achei muito legal a conferência com todos os outros escritórios, mas a minha tecla sap não estava funcionando muito bem de manhã e não entendi 100% do que os outros indianos estavam falando.

Depois de um dia bem cheio de coisas para fazer e estudar, fomos passear no shopping. Shweta, a indiana que está morando comigo, queria comprar um saree (sári) para a mãe dela e fomos até uma loja especializada. Os tecidos são maravilhosos! Uma variedade gigantesca de tecidos, modelos, estampas, cores! e num preço super acessível, de 75 a 150 dólares um sári. As roupas que as indianas usam para o casamento são maravilhosas, coloridas, bordadas, em tecidos com um caimento muito bonito.
No final ela estava em dúvida entre dois modelos, logo eu experimentei um e ela o outro. tiramos uma foto e ela acabou decidindo comprar o que eu estava vestida!


A noite ficamos tomando sorvete e conversando na sala do apartamento.  
Ficamos conversando sobre diferentes gestos que cada país tem. Os indianos fazem um movimento particular com a cabeça, involuntário, quando vão concordar com alguma coisa ou responder alguma pergunta. Como se fosse um pêndulo. Porque a única coisa que consigo perceber quando estão falando uma língua que eu não entendo são os movimentos e gestos. Eu adoro esse movimento, acho muito fofinho quando as pessoas fazem, vou sentir falta disso quando sair daqui.

Cricket (9 de fevereiro)


Sabe a paixão que os brasileiros tem pelo futebol? Os indianos tem pelo cricket! Na hora do almoço todos assistem  jogos de cricket ou notícias sobre o cricket (as vezes uns clipes de músicas indianas).
No brasil é comum se jogar uma pelada com os amigos depois do trabalho, aqui depois do trabalho todos jogam cricket no pátio! Enquanto os meninos jogavam, as meninas me ensinavam as regras do jogo.
Depois do jogo fomos comer panipuris de novo (mais baratos ainda desta vez 1 rúpia) e tomar refrescos numa loja de sodas (4 rúpias). Passeamos no parque da cidade, bem grande e bonito, com zoológico, trenzinho para as crianças e autofalantes tocando uma música ambiente.
Fomos todos jantar em casa e ficamos conversando sobre diversas coisas engraçadas até a hora de dormir.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Shopping e Panipuri

Depois do trabalho o motorista nos deixou no shopping, já que queríamos comprar algumas coisas que faltavam para cada um de nós como pasta de dente, meias, etc... Fomos primeiro em um shopping que estava vazio e não tinha nada, aí tivemos a difícil tarefa de atravessar a rua para o outro shopping. 
Uma loucura atravessar a rua aqui! Um monte de motos, rickshaws, carros, todos buzinando escadalosamente. Não existem muitos sinais de trânsito na cidade, os que existem estão piscando amarelo e ninguém respeita. 
Logo foi uma aventura atravessar as duas pistas de um shopping para o outro. Para entrar no shopping tivemos que passar pelo detector de metais básico.
Esse shopping estava cheio e parecia o "El Corte Ingles" da Espanha, uma grande loja com vários andares e com diferentes marcas.
As coisas aqui são muito baratas, uma camiseta baby-look custava 3 reais, meias coloridinhas bonitinhas 2 reais, cintos 10 reais, vestidinhos indianos fofos de 15 a 35 reais. Da próxima vez que eu voltar aqui não vou trazer malas, vou sair do aeroporto direto para um shopping comprar roupas. Aí acabo com o problema das malas no aeroporto. Sem contar que algumas coisas estavam com 50 % de desconto! Uma camiseta por R$1,50 nem no Saara!
Na porta do shopping havia uma barraquinha de pintura de henna e algumas pessoas estavam pintando as mãos com aquelas pinturas bem bonitas. Acho que também vou fazer algo assim antes de ir embora. 
Depois de sair do shopping passamos por uns quiosques de comida na rua e comemos panipuri e outras iguarias indianas apimentadas. 
Voltamos para casa de rickshaw e a corrida custou menos de R$ 0,50! 

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Guest House

É assim que eles chamam a casa onde eu estou morando temporariamente. Temporariamente, porque depois que eu voltar, irão arrumar permanentemente para um apartamento só para mim.  No post anterior eu mostrei algumas fotos da casa. É nessa casa que ficam as pessoas da empresa que estão na cidade para fazer um curso, um trabalho ou vão se mudar depois. Logo a rotatividade da casa é bem grande. Alguns dias eu acordo e dou bom dia para pessoas completamente desconhecidas no café da manhã.
Hoje, por exemplo, chegaram um menino e uma menina de Mumbai para ficar aqui uma semana. Eles são muito simpáticos e ficaram conversando em inglês quando eu estava perto! Não em hindi!
Eles me falaram o nome deles, mas é muito difícil lembrar. Eles me ensinaram os nomes das comidas, uma pena que eu não lembro mais também...
O nome do pessoal do trabalho eu anoto num caderninho, para depois de alguns dias lendo e decorando, eu vou poder chamá-los pelo nome.
Nós combinamos de ir ao cinema essa semana depois do trabalho assistir um filme em inglês, porque ninguém vai querer ficar traduzindo o filme inteiro pra mim de novo!
Hoje é domingo e eu fui trabalhar só meio expediente, deu pra descansar bastante.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Minhas casas

Cheguei a brilhante conclusão que eu sou nômade!
Meu quarto em Baroda.  

 Esse é o meu quarto em Bharuch*. 
Repare no aparelhinho de chá!

Esse é o meu quarto em Abu Dhabi. 

*Bharuch é o nome da cidade onde eu fiquei em um hotel (ver post anterior).

Preparativos para o primeiro trabalho

Hoje foi um dia cheio de coisas para fazer no trabalho, tanto no escritorio como na oficina. São tantas novas informações que eu não sei o quanto os meus neurônios vão lembrar. O trabalho é interessante e tudo o que aprendo no computador e vejo acontecendo de verdade depois.

Saímos do escritorio umas três horas da tarde e seguimos para o local de trabalho remoto, 2 em um caminhão e 4 no carro. Foram 3 horas de viagem passando por várias pequenas cidades e pequenas vilas. Acho que são lugares que nenhum turista iria visitar. passamos por plantações de milho e algodão. As plantações de algodão são muito fofinhas! Eu vi dois homens sentados em cima de um elephante todo pintadinho de cores meio fluorescentes, e também vários macacos pulando de telhado em telhado.

Depois de estacionar o caminhão no local, voltamos todos de carro para uma cidade próxima que possui um hotel que estava dentro dos padrões da empresa. Antes do jantar, me encontrei com o engenheiro para saber
como será realizado o trabalho amanhã. Depois todos os 6 nos encontramos para jantar no restaurante do hotel.

O restaurante era muito bonito, estava escrito que era de cozinha internacional (mentira). Foram pedidos diversos pratos que seriam depois divididos entre todos. Eu (bobinha) pedi um macarrão, porque estava com saudade.
O macarrao era mais picante que todos os outros pratos que os indianos pediram! Comi só um pouco e dividi o resto. Experimentei as outras comidas, que eu não sei o que eram, algumas com frango, outras com legumes, outras com queijo cottage, mas todas muito coloridas.
O que eu mais gosto é um pãozinho tipo árabe, mas é indiano, que ameniza um pouco as comidas muito apimentadas.

Eu era a única comendo de talheres no restaurante. Terminei o macarrão e passei a comer com as mãos, já que era o que todos faziam. usava um pedaço do pãozinho tipo árabe para não sujar as mãos. Acho que posso dizer que já consigo sentir alguma diferença de sabor entre os pratos apimentados. Antes não sentia diferença, tudo era spicy, e só. Estou aprendendo a escolher as comidas pela cor, já sei que algumas cores de gororobas são ruins, outras menos ruins, e outras até gostosas.
Acabei experimentando uma limonada com açucar e sal, não fica tão ruim quanto parece. E um iogurte misturado com um monte de trecos que também não era ruim e ainda ajudava a disfarçar as pimentas das comidas. No final do jantar eu já tinha bebido 4 copos de líquidos!

Aepois de terminar o jantar, eles colocam uma tigela de água morna com uma fatia de limão na mesa. Eu perguntei pra que servia e me falaram que era pra lavar as mãos. Aí eu pensei, é óbvio, depois de comer todas aquelas coisas coloridas com as mãos...
No final, o garçom colocou no meio da mesa duas tigelinhas, uma com minicubinhos de açucar e outra com erva-doce. Eu perguntei de novo pra que servia, eles falaram que era digestivo e refrescante. Bastava misturar um com o outro e colocar na boca. 
Eu experimentei achei legal, e já que era digestivo peguei bastante, porque meu sistema digestivo está tendo muito trabalho com essas comidas.
Fui dormir nesse hotel maravilhoso sozinha e sem internet.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Só algumas fotos

                       Foto de onde eu estou no mapa.


Foto do terminal de desembarque no Qatar

Variedades

Resolvi não fazer um post em ordem cronológica, mas só de coisas aleatórias que eu vi por aí...

Por exemplo: Vacas
As vacas estão por todos os lados, em quase todas as ruas, em várias esquinas. Eu vi uma vaca coçando a cabeça num montinho de pedras e um cachorro olhando para ela curiosa. 
De repente um trânsito para a cidade. O que era? Vacas! Umas 50 vacas andando na rua, no sentido dos carros e ocupando todas as duas pistas.

Auto-rickshaw
Estava com os outros dois engenheiros que dividem a casa comigo e fomos até o shopping em um auto-rickshaw. É um meio de transporte, meio moto, meio carro com um taxímetro daqueles bem antigos analógicos. E uma corrida de cruzar a cidade custa 10 rúpias. Não precisa fazer as contas, um real compra 26 rúpias.

Gujarati
Fiquei 2 dias em Mumbai e fiquei surpresa como o alfabeto deles é diferente. Cheguei em Baroda e descobri que aqui se fala outra lingua e se escreve com outro alfabeto! Haja diversidade!
Todas as pessoas da empresa são daqui, menos eu. O que significa que eu fico boiando em todas as conversas no refeitório, na sala, no galpão, na rua, etc...

Comidas
Não consigo me acostumar com as comidas daqui. São superhipermega apimentadas e condimentadas e coloridas. Hoje me preveni, escolhi um tipo de comida apimentada, mil pedaços de pão e tomei 4 copos d'água (quem me conhece sabe o quanto isso é para mim!).
O cozinheiro da nossa casa percebeu que eu não ando comendo muito e no jantar de hoje ele fez uma comida sem pimenta!!!! Não completamente sem pimenta, mas SUPER comestível! Os indianos são muito fofinhos. Eu comi muito hoje, o suficiente para compensar os 4 dias anteriores.

Bollywood
Hoje eu fui ao cinema assistir um filme indiano! Eu não entendia nada, mas aí eles traduziam pra mim. O filme é divertido, mas era tão previsível que em várias cenas eu nem precisava pedir a tradução. 
O mais engraçado é que eles tem intervalo no cinema!!! Eles param depois de uma hora de filme durante 15 minutos! Aí eu falei que isso não existia no Brasil e me perguntaram: "Quando as pessoas compram comida? Quando elas vão no banheiro?" Eu falei que íamos antes, depois ou durante o filme se preciso... oras

Roupas
As mulheres usam o sari normalmente no dia-a-dia. Eu achava que era apenas uma roupa formal, ou para festas. Inclusive quando eu estive numa repartição pública para tirar a minha permissão para residir, todas as mulheres estavam usando o sari com a mesma estampa, como um uniforme.

Celular
Eu agora tenho um celular da Índia! O meu número tem 10 dígitos!
Quem agora quiser me ligar ou mandar mensagens, é só pegar o número comigo...  rsrs